Mitos e Verdades sobre Infertilidade Feminina

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

 

1- O USO DE PÍLULA CONTRACEPTIVA POR TEMPO PROLONGADO PROVOCA INFERTILIDADE 

 

Mito: Nenhuma pílula anticoncepcional causa infertilidade ou interfere nas chances de uma mulher engravidar. Logo após a parada do contraceptivo o bloqueio hormonal pode persistir e ser causa falha na ovulação por dois ou três meses. Após este período os ciclos voltam a ser ovulatórios.   

 

2- MULHERES COM OVÁRIO POLICÍSTICO NÃO ENGRAVIDAM

 

Mito: A Síndrome de Ovários Policísticos (SOP), afeta 5 a 10% das mulheres em idade reprodutiva, e desde que diagnosticada precocemente e tratada adequadamente não é causa de infertilidade. O tratamento abrange desde mudança de hábitos alimentares até medicações indutoras de ovulação. 

 

3- ABORTAMENTOS ESPONTÂNEOS DIMINUEM AS CHANCES DE UMA GRAVIDEZ 

 

Mito: A interrupção da gestação quando ocorre naturalmente, não interfere em uma nova gestação. Quando se torna habitual, duas ou três vezes seguidas, condição que atinge cerca de 2% das mulheres, é preciso investigar outras causas e sempre que possível, tratar. Os abortos provocados podem provocar infertilidade devido a obstrução tubária ou fibrose intrauterina (sinequias) secundárias a infeção ou trauma intrauterino. 

 

 4- QUANTO MAIS AVANÇADA A IDADE DA MULHER, MAIS DIFÍCIL É ENGRAVIDAR

 

Verdade:  Quanto mais avançada a idade, menores são as chances de engravidar. Com o passar do tempo, principalmente após os 35 anos, vai havendo um comprometimento   progressivo da reserva ovariana, com consequente diminuição do número de óvulos e, principalmente, da qualidade deles.  Existe um relógio biológico implacável e as mulheres têm que ser alertadas que a fertilidade declina com a idade. 

 

5- QUEM PRATICA MUITA ATIVIDADE FÍSICA EM EXCESSO PODE TER DIFICULDADE PARA ENGRAVIDAR 

 

Verdade: Atividade física é positiva para a fertilidade, mas em excesso pode ter efeito contrário. O exercício físico exagerado e por longos períodos pode levar à queima dos estoques de gordura do corpo, ou seja, há alterações metabólicas e hormonais que podem interferir na secreção dos hormônios responsáveis pela estimulação dos ovários. As alterações desses hormônios podem bloquear a ovulação e levar a mulher a ter períodos de amenorreia (ausência de menstruação). Geralmente, isso acontece nas atletas de alto nível, bailarinas, maratonistas ou qualquer pessoa que se submeta a programas intensos de exercícios.  A orientação é que as mulheres reduzam a carga de exercícios e procurem seguir uma dieta balanceada para funcionamento hormonal adequado.

 

Dra. Marta Finotti – Ginecologista especialista em Reprodução Assistida e Ginecologia Endócrina – CRM GO 3367 – RQE 968

Acesse meu perfil no instagram, clicando aqui.